#Notícias Unitoledo
 
 

Alunos do UniToledo com mais de 50 anos mostram que não existe idade para a formação acadêmica

Vitória Frederico

O conhecimento é capaz de transformar vidas e independentemente da  idade, nunca é tarde demais para realizar um sonho. O número de pessoas com 50 anos ou mais que procuram ensino superior têm crescido cada vez mais. Conforme levantamento da plataforma Quero Bolsa, com base em dados do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais), o número de estudantes universitários da faixa etária cresceu 73,7% entre 2010 e 2017.

Entre eles está o aluno do curso de Direito do UniToledo, José Carlos Vecchiato que tem 61 anos e está no 7º semestre da graduação. Ele conta que essa área  sempre foi seu sonho. Vecchiato já havia dado início no curso no ano de 1989 na instituição, mas não conseguiu concluir por motivos profissionais que o fizeram mudar pra São Paulo.

 

RETORNO AO CURSO

José declara que a retomada ao curso deu-se por conta de sua aposentadoria e o retorno à Araçatuba. Ele pretende atuar futuramente como advogado na área tributária, por conta de sua experiência profissional como fiscal de rendas e delegado regional tributário.

“A experiência tem sido a melhor possível, pois estou agregando conhecimentos específicos aos que já possuo pela vivência, além de estar realizando meu sonho”, conta. José diz ainda que cursar uma graduação nessa etapa da vida é mais fácil e proveitoso por que há grande interesse pessoal.

“Sempre gostei de estudar, e é o que recomendo a todos os meus jovens colegas de faculdade, pois com esse espírito, e mesmo sem muito tempo para estudar quando eu estava com a idade que eles têm hoje, consegui ser aprovado em três concursos”, conta o acadêmico.

SEDE POR CONHECIMENTO
Outro exemplo é a aluna do 5º semestre do curso de Direito do UniToledo, Aurora Maria Pereira, de 57 anos. Aurora conta que essa é a sua primeira graduação e escolheu esse curso, pois leva a saber quais os direitos que por muitas vezes deixamos de usufruir porque somos leigos, e principalmente por sua sede por conhecimento.

“A experiência tem sido maravilhosa, eu tenho superado minhas expectativas. Nessa fase da vida já vencemos muitas etapas que para outros ainda traz ansiedade. Por esse motivo, há mais tranquilidade e é mais proveitoso, pois temos foco e determinação”, declara a aluna.

A acadêmica diz que depois que se formar deseja advogar a princípio, mas esse não é seu verdadeiro foco e pretende fazer novas descobertas durante sua carreira.

Edição: Rafaela Tavares

Notícias Relacionadas