#Notícias Unitoledo
 
 

Curso de Educação Física do UniToledo realiza projeto em parceria com a Polícia Militar

Mariana Páscua

Na sexta-feira (21), os alunos do 2° e 6° semestre de bacharel em Educação Física do UniToledo realizaram no batalhão do CPI-10 (Comando de Policiamento do Interior), testes de avaliações físicas em 60 alunos da escola da Polícia. O projeto é uma parceria do Centro Universitário Toledo com a instituição da Polícia Militar.

Foram realizados exercícios cotidianos da atividade operacional de um militar, por meio dos quais os acadêmicos de Educação Física coletaram dados do IMC (Índice de massa corporal) e avaliaram a flexibilidade, agilidade, potência, pressão manual e capacidade aeróbica (VO2), dos futuros policiais.

A avaliação física está inserida na disciplina de Cineantropometria, ministrada pelo professor Luís Carlos Oliveira que coordenou as operações. Além das avaliações, os dados coletados serão trabalhados em sala de aula nas matérias de Fisiologia com o professor Wagner Garcez de Mello, Bioquímica, e Fisiologia do Exercício, ministradas pelo professor Leonardo Cazelato. Os universitários farão um acompanhamento anual das análises no intuito de comparar o progresso do condicionamento físico dos policiais.

PLANOS
A ideia é que futuramente os cursos de Nutrição e Biomedicina integrem o projeto, pensando em cardápios que auxiliem os profissionais e realizando as pesquisas e exames laboratoriais necessários.

Para o Coronel PM Paulo Augusto Leite Motooka, a avaliação física é fundamental no ofício Policial e o projeto de grande valor para as duas instituições. “Nossa profissão requer um bom condicionamento físico. A Atividade operacional exige esse preparo, seja para transpor obstáculos, fazer uso da força muscular ao realizar uma prisão, suportar todo o equipamento, entrar e sair da viatura ou permanecer em pé por um longo período” explica.

“A polícia busca fazer parcerias, são por meio delas que há a aproximação com a sociedade e a oportunidade de conhecer melhor nossa instituição, não só isso, conhecer o policial como ser humano. A integração acrescenta aos dois lados, beneficia o condicionamento físico do nosso profissional e permite à universidade aprimorar suas pesquisas e a formação acadêmica do universitário” acrescenta.

Segundo a aluna Gabriela Pereira Corrêa do 6° semestre, a experiência proporcionada é de suma importância para seu futuro profissional na área de Educação Física. “A experiência é para a vida toda. A avaliação física é algo presente em quase todas as áreas, seja trabalhando com idosos, atletas ou até mesmo musculação. Uma coisa é aprender na sala de aula e outra, totalmente diferente, é vivenciar. Aqui nós podemos ver a dificuldade de perto e aprender a lidar com ela. É onde temos a oportunidade de aprender sem medo de errar nos preparando para o mercado de trabalho”.

Já para o Cabo PM e aluno Fábio Bispo de Souza, do 2° semestre, é uma satisfação poder conciliar a profissão com os estudos. “Estou há 18 anos na corporação e a graduação tem contribuído com a minha profissão além das minhas expectativas. É muito prazeroso poder realizar e repassar na prática tudo o que tenho aprendido na faculdade. Agrega muito”.

 

Edição: Rafaela Tavares