#Notícias Unitoledo
 
 

Autor Do Livro “Chaves Foi Sem Querer Querendo” Abre Programação Da 12 Secomt

Autor do livro “Chaves: Foi sem querer querendo?” abre programação da 12ª Secomt Michele Bacelar – 01/10/2012Ao abordar todas as etapas essenciais na produção de um TCC, o jornalista Luís Joly enfatizou que a paixão é o principal na elaboração de um produto de qualidade e de sucesso no mercadoAo abordar todas as etapas essenciais na produção de um TCC, o jornalista Luís Joly enfatizou que a paixão é o principal na elaboração de um produto de qualidade e de sucesso no mercado

Por Michele Bacelar

O passo a passo de como tornar o TCC (Trabalho de Conclusão de Curso) um projeto de sucesso foi apresentado pelo jornalista e gerente de relacionamento da Nokia, Luís Joly, durante a palestra de abertura da 12ª Secomt (Semana de Comunicação Toledo).

Motivado por uma paixão pelo personagem de Roberto Bolaños e toda a turma da vila, Joly escreveu um livro-reportagem juntamente com mais dois colegas de faculdade como produto para o TCC, em 2003. Com a publicação de “Chaves: foi sem querendo?”, em 2005, a obra esteve entre os livros mais vendidos daquele ano. Hoje, está na quinta edição e está na biblioteca pessoal de fãs e curiosos por entender os motivos que fizeram do seriado mexicano um sucesso no Brasil.

Segundo Joly, não foi tarefa fácil reunir informações para elaborar a obra. Além de enfrentar as piadinhas dos colegas de classe, os escritores tiveram que provar para eles mesmos que o objetivo era fazer um trabalho sério. “Nosso orientador chegou a olhar para mim e dizer: confesso que esperava mais de você!”, relatou.

A escolha do tema é um fator decisivo no sucesso ou não de um projeto acadêmico no mercado profissional. “O TCC tem que ser visto como uma porta de entrada para o mercado de trabalho”, disse. Mais do que vencer o desafio de pesquisar sobre algo comum, é preciso ter paixão pelo assunto pesquisado. Este, de acordo com o jornalista, é o segredo para a realização de um bom trabalho.

“O ideal é tentar sair do clichê. É preciso buscar alguma coisa inovadora e que você tenha paixão, porque quando você faz algo com paixão, você faz o melhor”, completou.

TRAJETÓRIA
O jornalista contou que a ideia de transformar a paixão por “Chaves” em um livro surgiu a partir de conversas informais entre os amigos de sala de aula. “Trocávamos bilhetes com respostas sobre os vilões de ‘Chapolin’. Então, tivemos o start de fazer da brincadeira algo sério”.

Além de buscar as fontes oficiais sobre a trajetória do seriado, os escritores reuniram na obra informações para desmistificar boatos e provar cientificamente os motivos para o sucesso de “Chaves”, no Brasil. Para isso, ouviram psicólogos e comunicadores, os quais analisaram a influência da série na vida das pessoas. “Isso foi um diferencial, um psicólogo, inclusive, disse que o Chaves é o herói mendigo da América Latina”, ressaltou.

Pessoas que trabalharam na televisão na década de 80, quando o seriado chegou ao Brasil, também foram ouvidas. A conclusão da pesquisa mostrou que “Chaves” é uma paixão de crianças até idosos.

Edição: Barbara Franchesca Nascimento

Share on twitter Share on email Share on print More Sharing Services 2

Veja também