#Notícias Unitoledo
 
 

Retorno ao curso de Biomedicina após trancar matrícula trouxe conquistas profissionais e pessoais para aluna

Verônica Martin

Cursar o ensino superior é um divisor de águas para quem pretende destacar e alavancar a carreira profissional. Segundo relatório desenvolvido pela Education at a Glance e publicada pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico, jovens e adultos que possuem diploma universitário têm 10% mais chances de serem empregados e ganharão, em média, 56% mais do que aqueles que só completaram o ensino médio.

Foi por essa perspectiva que Gabriela Cavalheiro Mendes, 23 anos, resolveu retomar seus estudos em Biomedicina. Ela retornou ao curso em 2017, depois de passar seis meses sem estudar por ter trancado a matrícula, no primeiro semestre de 2016. Com o retorno, Gabriela concluiu em dezembro de 2018 a graduação iniciada em 2013.

DECISÃO
“Eu decidi voltar para o curso porque sabia que estar formada reabriria muitas portas pra mim. Concluí o curso agora e fiquei muito feliz por ter conseguido. Foi uma conquista que eu sei que vai me trazer diversos benefícios”. A decisão de voltar a frequentar uma universidade também ajudou na vida pessoal, no amadurecimento e crescimento pessoal. “Iniciei a faculdade muito nova, com 17 anos. Não levava tão a sério e quando retornei já estava mais madura e mais focada, Vejo que o tempo que estava fora foi muito bom pra mim”.

Ela conta que apesar de ter trancado o curso, o tempo em que ficou distante serviu para que ela conseguisse administrar sua vida pessoal e emocional. “Achei que precisava de uma pausa em tudo para me reorganizar”. Segundo a biomédica, mesmo enquanto não frequentava o centro universitário, estudava por conta própria nas horas vagas.

PLANOS
A ex-aluna relata que pretende expandir seus horizontes e se aprofundar ainda mais na área para então conseguir realizar mais uma meta: dar aulas. A formação na área fez com que ela se interessasse mais pelos estudos. “Minha intenção é continuar estudando, fazer uma pós-graduação e começar a dar aulas! Sem dúvidas, formar-me foi essencial!”

Edição: Rafaela Tavares

Notícias Relacionadas